Buscar
  • Mauricio Cruz

Rubro Negro

Atualizado: Fev 26


FOTO: Getty Images

O vermelho sangue da camisa do meu Liverpool está sofrendo.


Uma temporada inteira para ser esquecida, completamente. A gente sempre viu coisas inacreditáveis acontecendo pelos lados de Melwood, e agora em Kirkby. Tanto que até um tempo atrás, eu mesmo fiz pesquisas e montei uma série de Milagres, de coisas sobrenaturais que acontecem com a gente, lá na Liverpool FC Brasil do Facebook. Mas dessa vez, exageraram...


Não bastasse a lesão do melhor zagueiro do mundo. Logo no começo da temporada Virgil Van Dijk se quebrou feio e nunca mais voltou. Fotos do ciborgue treinando a todo vapor colocam um sorriso tímido, de canto de boca, no meu rosto. Outras inúmeras lesões, uma a cada semana, num ritmo frenético, nos colocaram de joelhos na temporada. Mal temos 11 jogadores para pôr no campo. Zagueiros? Tivemos que ir as pressas ao mercado, no último dia de janela, para comprar dois caras para tapar buracos, porque os tapa-buracos já haviam se machucado. Gomez, Matip estragados. Fabinho e Henderson, volantes improvisados de zagueiros, também abriram o bico e se quebraram. Que fase sombria.


Contratamos Thiago e Jota lá na janela de verão. O meia passou semanas e mais semanas de fora após lesão (no mesmo jogo que VVD se machucou, contra o Everton) e ainda não se encontrou no escrete inglês. Jota, ao contrário, começou voando. Metia gols de tudo que é jeito. Era nosso principal jogador em determinada fase da temporada e... puf... se lesionou. 3 meses fora, e contando. Alisson também sofreu com lesões essa temporada. Por essas e por outras, descobrimos que Adrian é um fanfarrão e Kelleher o futuro da meta Red.


Todo esse turbilhão de coisas em meio a uma pandemia nunca antes vista no planeta. A Covid-19 já matou mais de 2,5 milhões ao redor do mundo. Mané, Salah, Thiago, tiveram o desprazer de contrair essa doença maldita que parece querer dizimar uma parte da população mundial. Torcedores longe dos estádios, jogos mais frios que sorvete no Polo Norte, clubes sentindo falta das receitas... Difícil.

Queria dar um abraço nesses caras hoje... FOTO: Goal

Para piorar tudo, Klopp perdeu a mãe há alguns dias. E Alisson acordou hoje com a triste notícia do falecimento do seu pai num trágico acidente. O vermelho vivo está de luto. Rubro Negro. Já dizia o poeta que “O futebol é a coisa mais importante dentre as menos importantes”. Família está acima, obviamente. Ganhar, perder, não importa. Família é tudo. Sei disso porque perdi minha mãe, também, há meses atrás. É devastador.


Outro dia crucifiquei Alisson com unhas e dentes, por erros seguidos. Agora estou me odiando.


Como terei cara de cobrar esses caras por resultados? Olhem isso! Olha essa fase miserável que estamos atravessando. Parece macumba, maldição, mandinga. Chamem como quiser. Se você acompanha o futebol minimamente, pode procurar situações parecidas com essas em outros clubes e você não vai achar, certeza. O que estamos vivendo essa temporada é um pesadelo com “P” maiúsculo. Parece até que estamos pagando um preço por 3 temporadas maravilhosas que vivemos. Nossa Premier League foi sacanagem, com 15 jogos já sabíamos que seríamos campeões e quebraríamos um tabu de 30 anos sem taça. Nossa UCL vencida, com o Milagre de Anfield frente ao Barcelona, parece que cobra sua dívida, agora, também.


O Liverpool está de luto.


Pela mamãe Klopp, pelo papai Becker e por tudo que estamos sofrendo essa temporada. Jogadores, Staff, torcedores, eu, você. Todos, juntos.


Que voltaremos mais fortes, nem preciso falar.


Que nunca caminharemos sozinho, também.


#YNWA #RIP