Buscar
  • Felipe Sales

Rainbow Laces: Um movimento de impacto na Premier League


Foto: Reprodução - Premier League via Twitter


O “Rainbow Laces”, em português “Cadarços coloridos”, é um movimento que surgiu em 2013 com o objetivo de promover a luta contra a LGBTQ+fobia no esporte. A Premier League aderiu a campanha em 2016, e desde então, nas primeiras semanas de dezembro, os clubes e árbitros da liga se unem e utilizam as cores do arco-íris em cadarços, braçadeiras, chuteiras e outros acessórios para representar a bandeira símbolo do movimento LGBTQ+.

“A PL tem uma visibilidade mundial e por mais que alguns pensem que isso seja um pequeno ato, para nós, membros da comunidade LGBTQ+, é muito importante, pois vivemos numa luta diária na busca de ser ouvido, respeitado e até mesmo para poder viver. Então, ver que existem organizações dispostas a ajudar, a trazer visibilidade e conscientização é fundamental”, disse a uberabense Anna Karolina Nogueira.


Foto: SkySports.com


Um caso que ganhou repercussão na última semana foi do jovem Keith Spooner, que respondeu um tweet de Jordan Henderson, meio-campista do Liverpool, dizendo o quanto era importante ver o capitão de seu clube usando as cores do arco-íris: “Aos 17 anos, eu lutei na adolescência - contra a homofobia -, mas a única coisa que sempre me fez sentir em casa foi o Liverpool. Ver isso significa o mundo para mim”, contou Spooner. Para a surpresa de todos, Henderson respondeu a mensagem e complementou: “Você nunca vai andar sozinho, Keith. Se usar a braçadeira do Rainbow Laces ajuda pelo menos uma pessoa, isso é um progresso. Todos são bem-vindos no Liverpool Football Club. Espero que você tenha gostado do jogo esta noite”. Na partida, os Reds venceram o Wolverhamptom pelo placar de 4-0.


“Os jogadores mostrarem apoio a causa, é super importante para que cada vez mais os atos homofóbicos não saiam impunes”, afirmou o paulista Luís Guilherme Cavalcante.



Foto: SkySports.com


Uma pesquisa publicada em 2016, chamada "Out on the fields", constatou que 85% do público do Reino Unido acredita que uma pessoa abertamente homossexual não estaria muito segura num evento esportivo. E 77% dos entrevistados afirmaram que já testemunharam um episódio de homofobia no esporte. No Brasil, o cenário é bem semelhante, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Observatório da Discriminação Racial no Futebol, os crimes de racismo, machismo e homofobia aumentaram cerca de 70% entre 2018 e 2019 nos estádios brasileiros.


A luta contra a discriminação não cabe somente para membros da comunidade, isso faz com que as reivindicações fiquem cada vez mais notórias: “Ver que parte dessas pessoas que apoiam nem são da comunidade LGBTQ+, mas que respeitam nossa causa a ponto de enfrentar um comentário discriminatório é algo reconfortante, pois dentro dessa luta existem dias que são solitários”, contou Anna Karolina.


Durante a rodada do primeiro final de semana de dezembro, os adereços com referência ao arco-íris estavam presentes na liga inglesa. A campanha vai até o dia 13 desse mês e veremos mais manifestações até o final da rodada.