Buscar
  • Vitor Nicchio Casotti

5 jogadores considerados Judas pela torcida do Liverpool


Raúl Meirelles atuando pelo Liverpool na Liga Europa (Foto: Action Images)

Ao longo dos anos, o Liverpool formou grandes equipes com diversas estrelas que, pelo bom futebol, despertaram interesse de clubes de toda a Europa. Inclusive dos rivais.

Na maior parte das vezes, cria-se uma expectativa em cima desses craques. A torcida sempre está à procura de novas lendas e de quem a represente. Por isso, resolvi listar cinco atletas que vieram a desrespeitar os torcedores dos Reds pela forma como conduziram a carreira.

(Foto: Action Images)

Michael Owen

Revelado pelo Liverpool nos anos 1990, Michael Owen fez sua estreia oficial no dia 6 de maio de 1997. Após 16 minutos em campo, o jovem atacante marcava pela primeira vez com a camisa dos Reds.


Owen permaneceu no Liverpool por sete temporadas, conquistando seis títulos e marcando 158 gols em 297 partidas. De quebra, o atacante foi eleito o melhor jogador do mundo na premiação da Bola de Ouro de 2001.


Em 2004, o Golden Boy assinou com o Real Madrid. A torcida do Liverpool esperava que o atleta voltaria para os Reds após o período na Espanha. Contudo, no ano de 2006, Michael Owen desmentiu as especulações iniciais e transferiu-se para o Newcastle United.


Em seus anos com os Magpies sofreu com algumas lesões. Com a equipe rebaixada e fora dos gramados por mais de um ano, ficou claro que ele teria que buscar um novo time.


"Eu sabia que os torcedores do Liverpool iriam me odiar se eu assinasse com o United. Mas o que eu podia fazer? Se os torcedores soubessem o que acontecia nos bastidores, que eu praticamente implorei ao (Rafa) Benítez... Se eles soubessem a história, eles pensariam de maneira diferente."


Cinco anos após ter deixado Anfield, o atacante inglês rumou para o Manchester United sem custos.

(Foto: Reuters)

Raheem Sterling

O mais vaiado em Anfield assinou com o Liverpool quando tinha apenas 15 anos de idade. O jogador se destacava na base do Queens Park Rangers e custou ao Liverpool 500 mil libras bem gastas.


Sob comando de Brendan Rodgers, Sterling se tornou vital. Especialmente na briga pelo titulo da Premier League da temporada 2013/14. Com a camisa vermelha conquistou a Copa da Liga Inglesa (11/12) e foi o vencedor do tradicional premio Golden Boy (2014), do jornal italiano Tuttosport.


Contudo, no ano seguinte, Sterling forçou uma saída para o Manchester City e o Liverpool cedeu o atacante por cerca de 70 milhões de euros. O inglês mais caro da história na época se tornou um ídolo dos citizens, acumulando diversas provocações aos reds. O que colaborou para o crescimento da recente rivalidade.


O "mau-caratismo" culminou em briga em sessão de treinamentos da seleção inglesa. O jogador foi afastado pelo técnico Southgate após agredir o defensor do Liverpool, Joe Gomez.

Fernando Torres (2007-2011)


(Foto: Getty Images)

Fernando "El Niño" Torres

O menos Judas dos Judas foi contratado pelo Liverpool em julho de 2007 por 20 milhões de libras, vindo do Atlético de Madrid.


O espanhol chegou para assumir a camisa 9 de lendas como Robbie Fowler e Ian Rush. E não decepcionou. Foram 81 gols em 142 partidas.


O atacante encantava a torcida e foi eleito o terceiro Melhor Jogador do Mundo. Mas não conquistou sequer um titulo coletivo com o Liverpool. Algo que contrastava com o sucesso da seleção espanhola.


Em seu último ano no clube, lutava para recuperar a forma explosiva da primeira temporada. Muitos acreditavam que a chegada de Kenny Dalglish como técnico despertaria o melhor do jogador.


No entanto, no dia 28 de janeiro, após uma oferta do Chelsea no início do dia, Torres entregou um pedido de transferência por escrito e disse ao clube que queria sair. Três dias depois, ele assinou com o Chelsea em transferência recorde, no valor de 50 milhões de libras.


Nota do Editor: Fernando Torres é um ídolo, mas a questão sobre ser ou não Judas é bastante discutida. Por isso, deixaremos o "El Niño" nesta lista.

Raul Meireles

O português chegou ao Liverpool no dia 28 de agosto de 2010, por 13 milhões de euros, a fim de substituir Javier Mascherano.


O primeiro jogo do volante com a camisa do maior da Inglaterra foi, justamente, no dia da estréia de Fernando Torres no Chelsea. Em Stamford Bridge, o Liverpool derrotou os londrinos pelo placar minimo com gol de Raul Meireles.


Contudo, um ano depois de chegar, poucas horas antes do encerramento da janela de transferências, o português trocou o Liverpool pelos Blues.


Para deixar o clima ainda mais quente, o Chelsea veio a ser campeão da Copa da Inglaterra após derrotar o Liverpool por 2 a 1 na final daquele ano.

(Foto: Phil Noble/Reuters)

Philippe Coutinho

Ao ser anunciado no penúltimo dia da janela de transferências, em janeiro de 2013, Philippe Coutinho se tornou o quinto brasileiro da história do Liverpool. O meia que veio da Inter de Milão por 8,5 milhões de libras, vestiu a camisa 10, que antes pertencia a Joe Cole.

Pelo Liverpool, Coutinho somou 97 participações para gols em 201 jogos, sendo 54 gols e 43 assistências. Mais do que isso, o brasileiro era a referência do time, a grande estrela e, posteriormente, o centro do trabalho de Klopp


Os rumores envolvendo Barcelona e Coutinho eram cada vez mais frequentes. Mas, em sua ultima temporada, o camisa 10 confirmou ao técnico Jurgen Klopp que ficaria no clube.


"Ele renova por 5 anos, diz que está muito feliz. Então o Barcelona vem e ele pede pra sair" - Gerrard

Quando Jurgen Klopp começou a ver a sua cara na equipe, Philippe Coutinho iniciou um longo período de pressão. Enquanto o Barcelona pressionava o brasileiro, Coutinho forçava o Liverpool para sair.


Como retratado no livro “Klopp”, escrito pelo jornalista Raphael Honigstein, o treinador já havia passado por essa situação antes, com Mario Gotze.

"Era o sonho dele ir. Ele sairia do Liverpool apenas por um clube, o Barcelona. Nós lutamos até o último segundo para manter Phil" - Klopp, após a saída do meia-atacante

Com isso, no dia 6 de janeiro de 2018, Philippe Coutinho realizou o sonho de assinar com o Barcelona por um valor fixo de 130 milhões de euros e bônus variável. Atualmente, o Pequeno Judas está emprestado ao Bayern de Munique, onde alterna entre time titular e banco de reservas.