Buscar
  • Mauricio Cruz

Definitivamente, o futebol está doente!


FOTO: Getty Images

Charles, o mundo não é mais o mesmo!


Esse famoso meme da internet onde o x-men Wolverine cita essa célebre frase para o mentor dos mutantes Charles Xavier ilustra o momento do nosso futebol.

Meme clássico do novo normal Fonte: Twitter
Meme clássico do novo normal FOTO: Divulgação/Twitter

O esporte mais amado do Universo está doente. E eu posso provar minha teoria com três pontos distintos e incontestáveis.


1) A pandemia de COVID-19 prometeu um novo normal, que até agora não chegou. O que ainda vemos é centenas de infectados todos os dias espalhados pelo mundo. E com o futebol, não é diferente (pode parecer que o esporte bretão habita uma atmosfera diferente, com suas próprias regras e tal, mas não). 19 componentes da delegação palmeirense estão infectados. Outros tantos do Galo também. Vasco e Timão também sofrem baixas de jogadores diárias, todos contaminados pelo maldito coronavírus. O Fla e o Goiás já passaram por isso. A seleção uruguaia que nos enfrentou essa semana acordou com um surto violento de Covid. Luis Suarez entre eles. CR7, Dybala e outros inúmeros craques já jogaram contra a Covid. Olhando pro nosso umbigo, depois de Mané e Thiago, agora é a vez de nosso principal jogador, Mo Salah, tombar diante do vírus que assola a humanidade. Gente, não tá na hora de parar tudo? Quando o futebol foi interrompido lá atrás, praticamente não tínhamos casos. E agora, a cada dia, somam-se novos contaminados;


2) A pandemia também afetou a emoção do jogo. Futebol sem torcida é pipoca sem sal. Maiden sem Bruce. Computador sem internet. Nosso recente título ficou seriamente apagado pela falta do torcedor vermelho (e louco, por natureza) gritando nas arquibancadas do Anfield. O esporte deixou de ser sanguíneo, para ser quase um golfe. A nossa paixão está lá. Mas nossa alma, não. Broxante. E nem adianta me falar que não muda nada. Se me falar isso, você não gosta do esporte como eu gosto;


3) E o terceiro motivo que prova que o futebol está doente são os resultados até então inimagináveis que pipocam no futebol desde o início da pandemia. Veja, não sei se a Covid responde por esse ponto também, mas o fato é que desde que a bola voltou a rolar, vimos um suntuoso 7x2 do Aston Villa no Liverpool, 6 dos Spurs no United, 5 do Leicester no City de Guardiola, 8 do Bayern no Barça (esse mesmo Bayern tomou 4 do Hoffenhein outro dia), 6 de uma renovada Espanha na Alemanha, 4 do SP no Fla no Maraca, 6 de Equador contra Colombia. Gente, Keketacoteseno? Em outras épocas, com 3x0 no lombo, o outro time se fechava para não passar vergonha. Agora, a #VergonhatáLiberada. O que chocaria o mundo em outros tempos, hoje, faz parte de um processo que acontece uma vez por semana... De novo, não dá para vincular o surto do Coronavirus com esse tipo de “desapego” (perdido por um, perdido por sete. De fato, né, Liverpool?). Mas a falta do torcedor gritando palavras gentis na orelha dos jogadores ao tomar uma goleada homérica mudaria alguma coisa? Não sei.


E onde está nosso Liverpool nesse “novo normal” do futebol? Além de tudo que foi explicado aí em cima, parece que o capeta veio cobrar o preço pelo título da Premier depois de 30 anos. Nada mais explica 10 jogadores fora de combate em pouco mais de 30 dias. E, já disse na Liverpool FC Brasil, não é o 6º zagueiro quem está se lesionando. São os melhores laterais do mundo, o melhor zagueiro do mundo, o melhor volante do mundo, a contratação mais esperada e Mohamed Salah. Só isso.

Lista interminável. Fonte: ESPN
Lista interminável... FOTO: ESPN

Nesse cenário, você e eu, torcedores vermelhos, temos que ponderar a cobrança ao time. Se ganharmos de meio a zero, fora de casa, são 3 pontos mais. Não importa. O que importa é fazer o melhor que podemos com o que nos é dado.


Li que esse ano, o que temos que fazer, é sobreviver a ele. O resto, se vier, é lucro. Até uma taça.


#YNWA